fb

Futuro

5 min de leitura

As revoluções simultâneas

Ao que tudo indica, infotech (a velha, mas rejuvenescida TI) e biotech serão os eixos de mudança na década que se inicia em 2031, e precisamos avaliar os impactos no mundo e nos nossos negócios

Colunista Luís Rasquilha

Luís Rasquilha

15 de Outubro

Compartilhar:
Artigo As revoluções simultâneas

2030 está aí. A agenda de diversas organizações, governos e empresas já leva em conta a chegada da quarta década do século 21. Já em 2015 a ONU debatia a agenda 2030, considerando diversos eixos de atuação com foco na qualidade de vida, sustentabilidade do planeta, maior justiça e transparência globais.

Considerando a velocidade das transformações a que o mundo tem assistido nos últimos anos, pode-se afirmar que tudo está e será diferente. Empresas de consultoria e seus departamentos de futuro, prospectiva e foresight, empresas de pesquisa, universidades e instituições de diversas origens e atuações têm dedicado bastante tempo para identificar o que pode ser a vida em 2030, baseando suas previsões na análise de diferentes fontes de informação e na avalanche de conteúdo disponível sobre o tema.

Não falamos de adivinhação mas da utilização de diversas ferramentas e metodologias de trabalho (de prospectiva, foresight e coolhunting – temas que podem encontrar explicações conceituais e apresentação de ferramentas em nossos websites). Eles permitem construir um entendimento dos cenários possíveis no futuro próximo. Porque 2030 está aí, a escassos nove anos de distância, o que na história da humanidade não é nada. 

Talvez pela acelerada mudança em que nos encontramos, apoiada na evolução tecnológica e na mudança do comportamento dos consumidores, temos assistido à transformação da gestão, dos mercados, dos negócios e do mundo em todas as suas vertentes; e das convicções e verdades absolutas também. Tudo mudou. A grande questão que se coloca cada vez mais é: 

Como vai ser o/no futuro?  

Baseado na intensa pesquisa permanente sobre cenários e tendências, temos desenvolvido um entendimento de longo-prazo (uma visão prospectiva) que nos permite desenhar os cenários macro que influenciarão o futuro. Quando olhamos para o futuro precisamos obrigatoriamente de o fazer a mais de 10 anos. 

EIXOS DE MUDANÇA

  1. Infotech: A Infotech (definida como information technology) ou tecnologia da informação é o uso de computadores para armazenar, recuperar, transmitir e manipular dados ou informações. Muitas vezes designada de TI, é normalmente usada no contexto de operações de negócios, em oposição a tecnologias pessoais ou de entretenimento.

A TI é considerada um subconjunto da tecnologia da informação e comunicação (TIC) senso um sistema de tecnologia da informação (sistema de TI) que é geralmente um sistema de informação, um sistema de comunicação ou, mais especificamente falando, um sistema de computador - incluindo todo o hardware, software e equipamento periférico – operado por um grupo limitado de usuários.

Com a massificação da 4ª revolução industrial, a tecnologia tem liderado uma evolução nunca antes vista nem prevista. Esta revolução tecnológica tem sido liderada pela conectividade, à qual se junta o poder computacional (que inclui inteligência artificial, machine learning, etc.) e a proliferação de dados (comumente conhecido como big data, que também considera segurança de dados, criação, distribuição e exposição de e aos dados) com todos os impactos que se têm conhecido – os bons e os menos bons. A visão evolutiva do Mundo pós 2030 desvenda um conjunto alargado de acontecimentos com impacto transformacional ainda mais intenso do que aquele que temos assistido na última década e que assistiremos nesta que agora inicia.

  1. Biotech: A BioTech (definida como biotechnology) ou biotecnologia é uma ampla área da biologia, envolvendo o uso de sistemas vivos e organismos para desenvolver ou fazer produtos. Dependendo das ferramentas e aplicativos, muitas vezes se sobrepõe a campos científicos relacionados. No final do século 20 e no início do século 21, a biotecnologia se expandiu para incluir novas e diversas ciências, como genômica, técnicas de genes recombinantes, imunologia aplicada e desenvolvimento de terapias farmacêuticas e testes de diagnóstico.

O termo "biotecnologia" foi usado pela primeira vez por Karl Ereky em 1919, significando a produção de produtos a partir de matérias-primas com a ajuda de organismos vivos.Com um mercado global estimado em 513 bilhões de euros em 2020, a biotech evoluiu para ser um campo estimulante para inovações, o que mudará fundamentalmente a nossa compreensão da vida humana e principalmente da evolução que o ser humano e a humanidade têm vivido ao longo dos séculos.

Os últimos anos têm sido bastante ativos neste tema com o emergir de um conjunto de iniciativas que visam melhorar a performance e otimizar o ser humano em toda a sua plenitude.  Dados alimentam a inteligência artificial (IA) coletados de wearables e biossensores que ajudam médicos a monitorar o efeito do tratamento em tempo real e a sugerir melhorias. Nanorrobôs bioprinted em 3D fornecem antibióticos ao alvo exato para curar a inflamação. A engenharia de tecidos corrige partes danificadas de um órgão sem que os pacientes precisem de cirurgia. A terapia genética evita que muitas doenças genéticas ocorram.

Esses são apenas alguns exemplos que a área da saúde pode utilizar e que empresas como a StartUs Insights, por exemplo, têm explorado. Mas esse tema tem permitido mapear oportunidades em, quase todos os temas relacionados com a humanidade e com os organismos vivos. 

ÁREAS DE IMPACTO

Essas duas revoluções simultâneas geram impacto em duas grandes dimensões ou áreas.

  1. World impact | Impacto no mundo – como o mundo se organizará perante este movimento de mudança e qual o papel que cada um de nós terá nesta nova realidade?

2. Business impact | Impacto nos negócios – como empresas se prepararão para fazer face à mudança e à forma como o mundo lida com estas duas revoluções simultâneas? 

Com certeza, hoje temos mais perguntas do que respostas, mas o ponto é: precisamos refletir profundamente e de forma imediata sobre estes temas que são a base de mudança futura. 

Aproveito para reiterar nosso convite para o evento Inova Day 2020, que ocorrerá online no dia 23 de outubro entre 8h e 12h30, onde serão apresentados vários estudos O Mundo em 2030; O Trabalho, As Profissões, O Líder e os Negócios em 2030 e A Transformação da Gestão (Business Pulse) e onde o tema será amplamente debatido. Saiba tudo sobre o evento aqui. Os leitores deste blog e da MIT Sloan Review Brasil vão aproveitar particularmente.

Compartilhar:

Colunista

Colunista Luís Rasquilha

Luís Rasquilha

CEO da Inova TrendsInnovation Ecosystem e professor da Fundação Dom Cabral (FDC), Hospital Albert Einstein e Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP).

Artigos relacionados

Imagem de capa O futuro do e-commerce B2B no Brasil

Business content

10 Fevereiro | 2022

O futuro do e-commerce B2B no Brasil

Empresas que investirem no e-commerce B2B serão mais competitivas do que a concorrência, segundo Emanuel Di Matteo, diretor geral da Liferay, em entrevista exclusiva

Larissa Pessi

6 min de leitura

Imagem de capa As estratégias de sobrevivência no mundo pós-pandêmico

Business content

14 Dezembro | 2021

As estratégias de sobrevivência no mundo pós-pandêmico

Estudo da Accenture aponta 12 intervenções necessárias para as empresas construírem uma posição de destaque nos próximos anos

Paulo César Teixeira

4 min de leitura

Imagem de capa Como os ‘consumidores reimaginados’ influenciam as empresas

Futuro

14 Setembro | 2021

Como os ‘consumidores reimaginados’ influenciam as empresas

Pesquisa da Accenture destaca novos hábitos de consumo e prescreve o aprimoramento da experiência como diferencial competitivo

Rodrigo Oliveira

4 min de leitura

Imagem de capa Lynda Gratton fala sobre equidade

Futuro

17 Agosto | 2021

Lynda Gratton fala sobre equidade

Ouça o artigo com três passos importantes, na visão da professora, em busca por mais equidade dentro das organizações

Rafael Gonçalves

0 min de leitura

Imagem de capa Economia circular: exemplos e desafios para a aceleração

ESG

05 Agosto | 2021

Economia circular: exemplos e desafios para a aceleração

Os esforços em direção a uma economia circular estão ganhando tração, principalmente na Europa, onde nos últimos anos as atividades relacionadas à circularidade aumentaram e estão impactando diversas indústrias e mercados

Rafael Gonçalves

7 min de leitura

Imagem de capa O capitalismo pode salvar o mundo?

Futuro

11 Março | 2021

O capitalismo pode salvar o mundo?

Precisamos alterar a rota de produção e de distribuição do sistema capitalista, criando ações mais empáticas para enfrentarmos problemas sociais e ambientais

Thomas Eckschmidt

5 min de leitura