fbMais receita, menos custo: as vantagens do suporte via autoatendimento digital MIT Sloan Review Brasil

Business content

4 min de leitura

Mais receita, menos custo: as vantagens do suporte via autoatendimento digital

Plataformas de autoatendimento são a base para atender necessidades dos consumidores modernos, aumentar o faturamento e reduzir o custo de suporte ao cliente

Leonardo Pujol

12 de Janeiro

Compartilhar:
Artigo Mais receita, menos custo: as vantagens do suporte via autoatendimento digital

De acordo com um estudo recente da Capgemini, o Brasil é o segundo país no mundo com maior volume de interações em canais de atendimento digital. Hoje, 64% dos clientes brasileiros de serviços ou comércio eletrônico utilizam sistemas de inteligência artificial (IA).

Eles buscam mais facilidade e agilidade nas transações. Mas sejamos sinceros: quem nunca desistiu de navegar em um site, deixando de comprar um produto ou de saber mais sobre um assunto, porque achou a experiência pouco agradável? Ou porque não encontrou as respostas que procurava? É por situações assim que a experiência do usuário no ambiente digital está ganhando ainda mais relevância dentro das empresas.

Essa atenção se traduz em diversas ações. Entre elas, o investimento em autoatendimento. Também conhecido como self-service ou autosserviço, o autoatendimento digital é capaz de empoderar os usuários a resolver problemas de maneira independente. Isso pode acontecer de diversas maneiras, e a mais comum delas é a otimização do conteúdo para suporte ao cliente por meio de chatbots, FAQs, tutoriais em vídeo e outras bases de conhecimento. .

Muitas empresas adotam plataformas de autoatendimento através de um portal do cliente – pois se trata de um ambiente único e unificado, capaz de oferecer acesso a todas as funcionalidades de autosserviço. O resultado final pode ser medido de duas formas.

Para o consumidor, o suporte via autoatendimento inclui redução do tempo de assistência e de resposta. Ele encontra as informações, consegue resolver suas dúvidas e solicitar auxílio com mais facilidade e rapidez. Consequentemente, seu nível de satisfação aumenta – pois ele pode escolher a melhor maneira de interação, construindo a experiência de acordo com preferências individuais.

Para as companhias, o autoatendimento pode estabelecer uma vantagem competitiva ao gerar novos fluxos de receita. Na Panamax, uma empresa de telecomunicações com atuação mundial, o sistema de autosserviço implementado no portal do cliente estabeleceu maior credibilidade e confiança na marca, quadruplicando o tráfego do próprio site. Isso levou a um aumento de cinco vezes no cadastro de novos clientes. Já a receita mensal cresceu sete vezes através do portal.

Mas as vantagens não param por aí. De acordo com a Liferay, empresa especializada em implementação de soluções de vendas B2B, o autoatendimento não é apenas a base para atender às necessidades dos consumidores modernos e aumentar o faturamento. Também é uma das melhores soluções para enxugar o custo de atendimento – a começar pela redução do número de ligações para o suporte da empresa.

Redução de custo de suporte para as empresas

A EATEL oferece serviços de internet e telefone nos Estados Unidos. Recentemente, a telefônica investiu em um portal de autoatendimento do cliente. A plataforma é responsiva, preparada para responder às necessidades tanto dos clientes corporativos quanto de pessoas físicas. De imediato, percebeu-se que o novo portal fez cair o número de ligações à central de atendimento ao cliente.

Antes do investimento, mais da metade das ligações ao call center para pessoa física da EATEL eram relacionadas a pagamentos. As interações simplificadas do portal de autoatendimento de gerenciamento de contas reduziram essas chamadas em 30%. Além disso, como os consumidores podem pesquisar e encontrar informações com mais facilidade, a equipe de atendimento ao cliente consegue se dedicar melhor às perguntas e interações mais complicadas, ao invés de dividir esses desafios respondendo perguntas repetidas.

Segundo a Liferay, o investimento permite uma redução significativa no custo total de suporte. Isso porque manter canais de autoatendimento é mais barato do que gerenciar canais de suporte em tempo real. Além disso, o autoatendimento permite que um número maior de clientes sejam assistidos em um período mais curto de tempo.

Automação e autoatendimento

Os chatbots são ótimas opções nesse sentido. A produtora e fabricante de produtos de amêndoas Blue Diamond, por exemplo, permite que os clientes escolham os itens que estão interessados a partir de uma lista de tópicos fornecida por um chatbot em seu site. O recurso permite à Blue Diamond fornecer respostas diretamente no chat, em vez de redirecionar os clientes a outra página.

Como a Blue Diamond, a Panamax, a EATEL e tantas outras, há uma série de empresas investindo em autoatendimento para gerar valor aos clientes e otimizar as operações de negócios. Não dá para ficar de fora – segundo uma pesquisa do Gartner, 85% de todas as interações de atendimento com o cliente irão iniciar pelo autosserviço até 2022.

Portanto, é válida a reflexão sobre o custo na demora de atendimento, de mão de obra dedicada a isso e de clientes não satisfeitos. Inclusive, de alcançar menos consumidores por conta da dificuldade de escalar o atendimento com a mão de obra humana. Quando as empresas fizerem essas contas, perceberão que o autoatendimento é um dos melhores caminhos para aumentar o faturamento e reduzir custos desnecessários.

O Fórum: Experiências Digitais é uma coprodução MIT Sloan Review Brasil e Liferay.

Compartilhar:

Autoria

Leonardo Pujol

É colaborador de MIT Sloan Review Brasil.

Artigos relacionados

Imagem de capa Modernização de aplicações: como acelerar a transformação digital?

Business content

31 Março | 2022

Modernização de aplicações: como acelerar a transformação digital?

O modelo de negócio deve ser repensado para se obter o melhor de um programa de modernização, que deve ser realizado de forma progressiva, balanceada e orientada

Renata Proença

3 min de leitura

Imagem de capa Atendimento cognitivo: de onde viemos e para onde vamos

Business content

18 Março | 2022

Atendimento cognitivo: de onde viemos e para onde vamos

Em nome das experiências sem ruído, os negócios incorporam chatbots em seus atendimentos. Mas eles precisam de equipes preparadas para lidar com modelos estatísticos, algoritmos de IA, NLP e ciência de dados

Claudia Nolla Kirszberg

7 min de leitura

Imagem de capa Novas versões para os velhos modelos de negócio high touch

Business content

11 Março | 2022

Novas versões para os velhos modelos de negócio high touch

Não se sabe ainda se esta era será marcada pelo distanciamento social, mas essa possibilidade faz com que acrescentar tecnologias a serviços de alto contato tradicionais seja um negócio promissor

Matt Josefy

4 min de leitura

Imagem de capa As tendências comportamentais que prometem moldar os negócios em 2022

Business content

22 Fevereiro | 2022

As tendências comportamentais que prometem moldar os negócios em 2022

Relatório Fjord Trends 2022 aponta para o início de uma transformação comportamental. Ivan Lucchini, diretor executivo da Fjord, parte da Accenture Interactive, explica como acompanhar essas mudanças

Rodrigo Oliveira

6 min de leitura

Imagem de capa Como a experiência do cliente dita o rumo das organizações financeiras

Business content

17 Fevereiro | 2022

Como a experiência do cliente dita o rumo das organizações financeiras

Autoatendimento digital, APIs e processamento de dados fazem toda diferença na hora de planejar uma melhor experiência do consumidor

Leonardo Pujol

4 min de leitura

Imagem de capa Microsserviços: abordagem ágil aumenta produtividade e garante flexibilidade aos negócios

Business content

16 Fevereiro | 2022

Microsserviços: abordagem ágil aumenta produtividade e garante flexibilidade aos negócios

A arquitetura de microsserviços é o tipo de tecnologia invisível ao usuário final, mas que oferece várias vantagens às empresas. Saiba quais são

Juliana Coin

4 min de leitura