4 min de leitura

Quando há uma defasagem

Numa recente reunião de conselho editorial, falamos sobre os equipamentos de tomografia PMCT, sigla em inglês de tomografia computadorizada post-mortem. Hoje a autópsia, clínica ou forense, feita para identificar causas e circunstâncias da morte de uma pessoa, vem cada vez mais dando lugar à virtópsia – o exame em cadáveres com equipamentos de diagnóstico por Quando há uma defasagem

Adriana Salles Gomes
12 de junho de 2024
Quando há uma defasagem Imagem se não é conteúdo que normalmente tem um PDF
Link copiado para a área de transferência!

Numa recente reunião de conselho editorial, falamos sobre os equipamentos de tomografia PMCT, sigla em inglês de tomografia computadorizada post-mortem. Hoje a autópsia, clínica ou forense, feita para identificar causas e circunstâncias da morte de uma pessoa, vem cada vez mais dando lugar à virtópsia – o exame em cadáveres com equipamentos de diagnóstico por imagem, como o PMCT e a ressonância magnética, que dispensa a dissecção humana. Lembro-me de um artigo da Revista da Fapesp, de oito anos atrás, em que o médico entrevistado já dizia que, “com a evolução da medicina, a autópsia passou a ser algo antigo, mesmo na especialização de médicos”. A virtópsia tem sido providencial nas mortes suspeitas de covid-19, inclusive, para evitar contaminação. Lugares que ainda não adotaram a virtópsia como primeira opção estão defasados, ainda que séries de TV policiais façam parecer que abrir corpos continua a ser o padrão da atividade.Desculpe-me se o início desta mensagem é um tanto mórbido, mas achei essa analogia impactante o suficiente para entendermos em definitivo o que acontece quando uma pessoa ou organização tem uma defasagem tecnológica, seja esta qual for. Um dos maiores perigos que as empresas enfrentam hoje é a defasagem em relação às tecnologias da quarta revolução industrial e as práticas de gestão modificadas por elas. São conceitos que estão varrendo o mundo e é imenso o risco de empresas ficarem para trás – em especial, em mercados ainda na periferia da globalização, como é o caso do Brasil.

MIT Sloan Review Brasil tem buscado, edição após edição, ajudar as empresas brasileiras a lutar contra essa defasagem potencial. E, nesta revista que você tem em mãos, há vários conteúdos representando isso. O Report especial versa sobre a a economia de plataforma e aborda muito bem tudo que ela requer, da mudança da estratégia baseada em diferenciação aos cuidados a tomar com a assimetria de poder e a alta taxa de mortalidade desses ecossistemas. O mesmo vale para o artigo sobre inteligência artificial e a verdadeira razão pela qual boa parte dos projetos corporativos de IA anda fazendo água: a qualidade dos dados, no sentido de poderem ser lidos pelas máquinas. Também vale para o texto dos reis e plebeus, que traz as nuances do processo em que empresas pioneiras em qualquer produto ou serviço perdem seus mercados para quem chega depois. E para o texto de Sarah Kaplan sobre os quatro erros da RSE. E ainda para o texto de Lynda Gratton sobre o preparo dos trabalhadores menos qualificados para a automação em escala (automação que até o Brasil fará um dia e que, para o nosso bem, esperamos que não demore muito).

Economia de plataforma: as novas estratégias
Este conteúdo faz parte da edição #7 do MIT SMR Brasil.Já tem acesso? Fazer loginAssinarComprar edição
Adriana Salles Gomes

Deixe um comentário

Você atualizou a sua lista de conteúdos favoritos. Ver conteúdos
aqui